Inclusão digital - Internet discada faz a primeira vítima no Brasil

O personagem desta história é John Winsley, um jovem norte-americano que aceitou encarar um desafio não muito convencional proposto pelo grupo de intercambio da companhia onde trabalha em Birminghan, Massachussetts. O desafio consistia em realizar as mesmas tarefas que normalmente fazia na sede da empresa, só que na filial brasileira, utilizando apenas a internet discada.

Acostumado a desafios, Winsley possui um currículo repleto de façanhas até então tidas como normais para atletas do mesmo nível. Dentre estas destacamos a travessia em 2006, do deserto do Atacama numa moto 125cc; a descida de rapel, em 2007, na torre Eifel em Paris e a permanência durante 12 horas dentro do lago Michigam, em pleno inverno.
Antes do início do desafio o jovem John fez alguns comentários com os colegas de trabalho:

Well, apesar de ter certa dose de adrenalina em usar uma tecnologia ultrapassada como o acesso dial-up, acredito que poderei realizar as tarefas num tempo bem inferior a 2 horas. O agravante é que a internet discada brasileira não é gratuita como em outros locais. Mas afinal, estamos no terceiro mundo, não é mesmo?

Segundo John, a motivação para aceitar o desafio, além da adrenalina, foi a recompensa de U$ 15.000,00. Por outro lado ele assumiu o risco de perder o emprego e ainda ter que arcar com os custos do provedor de internet gerados durante o tempo da prova.

O objetivo proposto ao jovem John seria acessar 6 sites indicados aleatóriamente, numa lista de 10; baixar 4 emails que lhe foram enviados pela matriz, cada um contendo um anexo em pdf no tamanho médio de 5Mb; responder aos mesmos dando apontando possíveis erros encontrados.

Como medida visando manter a concentração de John foi permitido a presença de apenas cinco pessoas na sala ao lado do local da prova, as quais acompanhavam cada movimento de Winsley através das janelas.

A última imagem do jovem John foi esta, feita por um cinegrafista que fazia imagens da parte externa do prédio.

internet, discada, dial up, queda, prédio, suicídio
Ernest O'connely, um dos amigos de John que acompanhou pessoalmente o teste, afirmou que com o passar do tempo, John começou a suar frio, esfregava muito as mãos, parecia não estar satisfeito com o desenrolar da prova.

Faltavam cerca de 15 minutos para o fim do prazo (de 2 horas), ele colocou as mãos na cabeça e antes que pudéssemos fazer qualquer coisa, saiu correndo e se jogou pela janela. Foi horrível.
Após o incidente, muito abalada emocionalmente, a namorada de John teria dado a seguinte declaração:

Eu e o John tínhamos planos de nos mudarmos para a Europa, ele já havia aceito a proposta de papai para ocupar a vice-presidência em uma de nossas empresas...
A investigação deste episódio ficou a cargo da 5ª DP sob o comando do delegado Dornelles, o qual prometeu concluir o inquérito em 10 dias:

Estamos investigando as circunstâncias que levaram o rapaz a cometer tal atitude. Trabalhamos com várias hipóteses, mas a mais provável indica que ele não suportou a pressão de usar uma conexão discada, sem falar na dívida que ele assumiu contrair caso perdesse. Parece que o rapaz não sabia muito bem onde ele estava se metendo.

Comentários

  1. fake, montagem horrivel -.-

    ResponderExcluir
  2. pior que eu usei internet discada por anos, e ainda nao me joguei pela janela...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Deixe sua opinião ou sugestão.

Postagens mais visitadas deste blog

As jornalistas mais belas do século passado

Wing Chun kung fu - tenha aulas online e de graça

Shakira: fotos sensuais da cantora colombiana